A festa que empolgou e empurra Atlético e Cruzeiro

Não há como negar que ao fim de uma disputa de um título estadual, entre Atlético e Cruzeiro, com estádio divido entre as duas maiores torcidas de Minas Gerais,que depois do apito final metade estaria em festa e a outra metade entristecida. Mas o futebol surpreende e os 53 mil torcedores pagantes que estiveram no Mineirão, no último sábado, festejaram os dois times. Aplaudiram e cantaram ao final do jogo. Testemunhei um dia diferente como jornalista esportivo em mais de 30 anos de profissão. Vi duas torcidas celebrando, cada uma a sua realidade, a alegria de acreditar em seus times.

Os atleticanos viram o time ganhar mais um título estadual, o 47º na história, um tricampeonato depois de 42 anos, e o quinto título em menos de um ano. Além disso, Hulk ainda mostrou porque é o ídolo e o jogador mais decisivo que atual no Brasil, e porque a relação entre o torcedor e o atacante se intensifica a cada dia e cada gol. São motivos de sobra, além de derrotar o rival, para uma grande festa no Mineirão.

Para os cruzeirenses, que empurraram time do começo ao fim da partida, e até mesmo após o apito final quando a organização preparava a entrega da taça ao Atlético, fizeram do dia 3 de abril um momento de celebração com o time, mesmo sem o título, sem a vitória. Viram um time valente, brigador, com boa força ofensiva com o trio Vaguinho, Vitor Roque e Edu. Viram uma liderança madura na pele e emoção de Rômulo e a intensidade de jogo do time que vai intimidar muitos adversários na disputa do restante da temporada.

O Atlético, apesar dos dois títulos conquistados em 2022, a Supercopa do Brasil e o Mineiro, tem pela frente uma temporada com desafios que começam esta semana. Na quarta tem a estreia na Libertadores, na Colômbia, contra o Tolima, e no domingo estreia no Brasileirão contra o Inter de Porto Alegre, jogando em BH. Pela Copa do Brasil o Galo, atual campeão, estreia contra o Brasiliense, ainda sem data definida. São três títulos em disputa e o time é um dos favoritos para a conquista das taças nas três competições juntamente com Palmeiras. Haja fôlego e elenco até dia 13 de novembro, quando termina o Brasileirão.

O Cruzeiro começa a batalha na Série B na sexta-feira, na Fonte Nova, contra o Bahia. É o primeiro passo para retornar à série A em 2023. Pela terceira fase da Copa do Brasil o time vai encarar o Remo, do Pará, também sem data definida. A competição de mata-mata paga premiação milionária, dá uma vaga direta na Libertadores para o campeão e gera grande motivação para a torcedor. O Cruzeiro é o maior vencedor da Copa do Brasil com seis títulos. Seguir em frente, passo a passo, fase a fase, significa muito para o caixa e para a confiança de fazer de 2022 a temporada de recomeço, dentro e fora de campo.

Com tanto em jogo ainda em 2022, que está só começando para o futebol brasileiro, a festa que os torcedores fizeram no Mineirão, sem confusão, sem briga, e com as disputas no grito e entre as bandeiras, ficamos com a impressão de que o ano será de fortes emoções para os milhões de torcedores de Atlético e de Cruzeiro.

Twitter @armandoBH69

Imagem em destaque: Armando Oliveira.