Casa Branca: você sabe qual é a origem do nome do bairro?

Quem nos convida a conhecer o Casa Branca é a aposentada Divina Ferreira Rodrigues, de 80 anos, uma das moradoras mais antigas do bairro. Mulher enérgica e cheia de atitude, lutou pelas conquistas da comunidade e ainda está de olho na defesa dos moradores. Confira a história dessa Mulher Maravilha da vida real.

Antes de se tornar bairro, o terreno do Casa Branca pertencia a Companhia Fiação e Tecidos Minas Gerais. Há informações de que na área, que fica nas proximidades da divisa de Belo Horizonte com Sabará, também havia uma vila chamada Casa Branca.

Dona Divina, entre dois moradores do Casa Branca (aquivo Dona Divina)

A versão da dona Divina para o nome do bairro é outra. Segundo ela, dona Ivone Meireles, falecida recentemente aos 97 anos, tinha uma casa branca usada como ponto de referência pelos moradores. “Foi a casa dela deu origem ao Casa Branca”, garante.

Dona Divina conta que se mudou há 45 anos com três filhos pequenos, numa época em que o bairro era só mato, uma pedreira e um amontoado de dificuldades. “Não tinha água, nem esgoto e só havia energia elétrica para os funcionários da pedreira. O único motivo de felicidade é que nós havíamos fugido do aluguel para morar no que era nosso”, lembra.

Dona Divina lutou pela construção da primeira igreja. Fonte Google Maps

Assim como muitos bairros da Leste, o Casa Branca tem como legado a luta da comunidade por conquistas sociais. Nossa entrevistada ajudou a fundar a Associação Comunitária Esperança, registrada em 1980. Daí por diante começaram os enfrentamentos com o poder público por melhorias nas condições de vida da comunidade, como a Construção da Escola Municipal Wladimir de Paula Gomes, da igreja Imaculada Nossa Senhora da Conceição, do grupo Viver, voltado para a melhor idade, entre muitos outros desafios.

E você pensa que a dona Divina pendurou a chuteira? Ela está na coluna Eu no Radar, com uma denúncia sobre os ônibus que servem a comunidade. Vá lá e confira.