Dupla cria vitrine virtual para ajudar comerciantes do Esplanada

A pandemia do coronavírus não poupou nenhum de nós. O isolamento social, as mortes, a espera por uma vacina, o impacto negativo sobre a economia…tudo parece devastador e muitos de nós nos vemos sem esperança. Mas, não é que no meio desse caos surgiu uma corrente do bem para amenizar a crise dos comerciantes? E a ideia partiu de dois moradores do bairro Esplanada, na região Leste de BH.

Roberto Resende é profissional da área Marketing. Está sem trabalho atualmente. Luigina Sica, mais conhecida como Dina, é dona de uma padaria e viu o movimento cair em até 70% nos últimos meses. Os dois deveriam estar preocupados em resolver os próprios problemas, mas decidiram pensar no próximo . Eles criaram em 16 de maio o Juntos no Comércio, uma rede de apoio virtual para os lojistas e prestadores de serviço do Esplanada. “Esperava ajudar, mas foi muito além da minha expectativa”, lembra Roberto.

A dupla mostra com as mãos o símbolo do Juntos no Comércio

A proposta deu tão certo que tem adeptos até de outros bairros da região Leste de BH. Funciona assim. As postagens no Instagram são administradas pelo Roberto. Mas, há regras para o Whatzapp. Das 9h00 às 13h00 são aceitas somente publicações de sacolões, padarias e de entregas de almoço. Profissionais autônomos como costureiras, motociclistas, salgadeiras, salões de beleza, entre outros aproveitam o espaço das 14h00 às 17h00. Das 17h30 às 22h00 é a vez dos serviços de delivery de bares, lanchonetes e restaurantes.

A avenida 28 de Setembro concentra grande parte do comércio

A vitrine virtual também socorre quem perdeu um animal de estimação e ajuda a encontrar profissionais para atender a pequenas emergências, como serralheiros e bombeiros hidráulicos, por exemplo. Ninguém paga nada para participar do Juntos no Comércio. A retribuição, segundo Ronaldo e Dina, vem em forma de reconhecimento e carinho tanto de quem oferece um produto ou serviço quanto de quem é atendido. “A maior gratidão é levar o calor humano a quem estava perdido e sem noção do que fazer diante de tanta dificuldade”, conta Dina.