Escritora não tem mais condição de cuidar de praça no bairro Floresta

A vida corrida muda nosso olhar sobre a cidade. Quase não dá tempo de perceber o que está ao nosso redor. Uma construção antiga que resiste a especulação imobiliária ou a beleza de uma praça, como a Salvador Morici, no bairro Floresta, região Leste de BH. O local, que fica bem pertinho da igreja de Nossa Senhora das Dores, entre a Avenida do Contorno e a rua Silva Jardim, tem uma beleza diferenciada, mas precisa de cuidados.

Praça Salvador Morici quando Estella começou a cuidar do local (foto Estella Cruzmel )

É o que garante a artista plástica Estella Cruzmel, que adotou a praça na região Leste de BH, há seis anos, mas pode deixar o trabalho voluntário por falta de condições financeiras. Foi dela a ideia de colocar os manequins que brotam folhas e flores de verdade no local. Estella conta que gasta em média R$150,00 mensais com produtos para cuidar das plantas, varrição e coleta de lixo. “Já chegamos a tirar dois sacos grandes de garrafas de bebidas, resto de comida e até pinos de cocaína”, reclama. Em novembro passado gastou R$500,00 sozinha para cuidar da praça depois de uma festa ocorrida nas proximidades.

Estella também é escritora, autora de 10 livros e fundadora do projeto Santa Leitura, que está completando 10 anos de atividade. A iniciativa de oferecer publicações de qualidade e atividades lúdicas para incentivar a leitura começou no fundo de uma loja da escritora bairro Ipiranga, na região Nordeste, depois foi para o bairro Taquaril, na região Leste de BH e, em seguida, a praça Duque de Caxias, em Santa Tereza.

Outras praças, como a Salvador Morici, também receberam o Santa Leitura. A iniciativa passou pelas regiões Leste, Nordeste, foi para comunidades carentes da capital e ganhou o mundo! O projeto pode ser encontrado em Búzios, no Rio de Janeiro, e na Carolina do Sul, Estados Unidos.

A escritora não vê a hora de voltar com o projeto Santa Leitura (foto Estella Cruzmel)

As atividades do Santa Leitura foram interrompidas por conta da pandemia do coronavírus. Mas, Estella está cheia de planos para quando tudo isso passar. Ela pensa em voltar com o projeto na praça Salvador Morici quando o local estiver melhor cuidado. “Falta apoio da Prefeitura de Belo Horizonte. Estou tentando que o dono de uma pizzaria, que fica nas proximidades, assuma a responsabilidade pelos cuidados com a praça”.

A Sudecap (Superintendência de Desenvolvimento da Capital) informa que a praça Salvador Morici deve receber manutenção em breve, com a execução de serviços de jardinagem, pintura dos cordões, bancos e meio fio.