Eurocopa e Copa América apresentam forças para o Catar 2022

A semana que começa terá as semifinais e finais das duas principais competições continentais do planeta, a Euro 2020 (disputada em 2021) e Copa América 2020 (também jogada em 2021). Seriam essas oito seleções as grandes equipes da atualidade? Brasil, Peru, Argentina, Colômbia, Espanha, Itália, Dinamarca e Inglaterra formam um G8 diferente. Se compararmos com a Copa de 2018, na Rússia, despareceram algumas forças e estamos vendo o ressurgimento de equipes tradicionais como Itália e Inglaterra.

Na Copa América, depois de muita polêmica com remarcação da competição para o Brasil, depois das recusas da Colômbia e Argentina, temos visto uma disparidade muito grande dos times comandados por Neymar e Messi. Brasil e Argentina são favoritos a fazer a decisão, mas antes precisam confirmar a vaga. O Brasil encara nesta segunda o Peru e a Argentina enfrenta a Colômbia, na terça. Messi é o artilheiro da competição até o momento com 4 gols dos 10 que a Argentina marcou. Neymar marcou dois dos 11 gols feitos pelo Brasil.

As duas seleções estão invictas e não só bons os números, mas o futebol apresentado pelas duas estão muito acima das demais equipes do continente. Se não fizeram a final, no sábado, será uma grande surpresa. Mas já posso dizer que nas eliminatórias para a Copa do Catar, nem Brasil e nem Argentina terão dificuldades para garantir vagas na competição. O Brasil lidera a eliminatória sul-americana com 18 pontos em seis jogos e Argentina está em segundo com 12. As quatro primeiras colocadas, em 10 que jogam a competição, se classificam direto. Tá molezinha!

 A Eurocopa é diferente. Muitas seleções fortes ficaram pelo caminho e não deixam de ser forças e de serem admiradas e esperadas na Copa do Catar. As eliminações de França, Alemanha, Bélgica e Portugal, a atual campeã, realmente poderíamos achar que foram surpreendentes. Quem acompanhou a competição desde o começo viu que por exemplo a renovação da seleção Portuguesa. Um time jovem, com alguns talentos experientes e Cristiano Ronaldo ainda em grande forma. Deve conseguir vaga para a Copa do Catar porque joga um grupo da eliminatória onde a Sérvia é a outra força na disputa.

A França, atual campeã do Mundo, ainda é uma seleção muito forte. Caiu nas oitavas-de-final da Euro para a Suíça, na disputa de pênaltis. Foi precoce a saída. Nas eliminatórias, os franceses, liderados por Mbape e Benzema, jogam o grupo que ainda tem Ucrânia e Finlândia como os principais adversários. Não devem ter dificuldades para garantir a vaga para a Copa.

A Bélgica, que eliminou o Brasil na Copa da Rússia, também era uma seleção que prometia muito na Euro. Os belgas tinham quatro jogos e quatro vitórias, uma delas contra Portugal nas oitavas, caíram em um baita jogo para a grande seleção do momento na Europa, a Itália. Para a Copa do Mundo, a Bélgica lidera o seu grupo nas eliminatórias e tem como adversários mais fortes a República Tcheca e a Finlândia. Deve ficar com a vaga.

 A Alemanha, sempre uma das forças da Europa, está em processo de renovação. Jogou a Euro no chamado grupo da morte com Portugal e França, se classificou para as oitavas e foi eliminada pela forte seleção inglesa. O time comandado por Joachim Low chegou ao fim de um ciclo vitorioso. O treinador deixou a seleção alemã após a derrota para a Inglaterra depois de 15 anos no comando, 198 jogos, campeão da Copa de 2014, responsável pelo 7×1 e um trabalho que mostrou a força do planejamento alemão.  Para a Copa do Catar o desafio da nova Alemanha é se classificar no grupo que tem a Armênia como líder e a outra “força” na briga a Macedônia do Norte. Fortes emoções para os alemães.

Espanha, Itália, Dinamarca e Inglaterra mostram em comum muita competitividade. Impressiona a força ofensiva e criativa da Itália. Melhor futebol da Euro até agora. Impressiona também o ataque inglês com Harry Kane e Sterling. E quem diria, Itália e Inglaterra, dois times tradicionalmente mais defensivos se destacando na Euro pela força de ataque. Novos tempos.

A Espanha também é outra seleção que se recupera depois do fiasco na Copa de 2018 na Rússia. A Dinamarca, depois do drama vivido na primeira rodada da Euro com o craque Eriksen, que foi ressuscitado dentro de campo depois de passar mal e cair em campo. O time se uniu e mostrou muita consistência no jogo coletivo e chegou à semifinal contra a Inglaterra com autoridade. Essas quatro seleções também devem ir para o Catar jogando as eliminatórias com firmeza. Cada uma é líder dos seus respectivos grupos das eliminatórias europeias.

Talvez tenhamos mesmo Copa do Mundo, ano que vem, com um bom equilíbrio e sem uma seleção notadamente favorita. Até lá, bora acompanhar essas partidas emocionantes da Euro e da Copa América.

Twitter @armandoBH69