Feminicídios em disparada: onde buscar ajuda?

Em Nipoã/SP, em 17/02/2022, o namorado ao brigar com sua companheira, a amarrou na traseira do carro e a arrastou por uma estrada provocando diversos ferimentos e que a deixou internada no Hospital de Base. Ele esta preso por tentativa de feminicídio. Passa ano, entra ano, e os números continuam a nos assustar. Estou falando sobre os homicídios praticados contra as mulheres, tipificados após a Lei Maria da Penha como feminicídios. Este pode ser definido como o nome pelo qual é dado ao assassinato de mulheres, tendo em vista o pouco apreço que o autor do crime tem pela figura feminina.

Durante esta fase da pandemia do Covid-19, especialmente no ano de 2021, houve uma diminuição no relato de ocorrências em Delegacias de Polícia, onde as pessoas ficaram mais restritas em suas residências. Portanto mais vulneráveis, dificultando formalizar em algum órgão de proteção uma ocorrência de violência doméstica contra o seu agressor.

Lembrando que a sub-notificação é comum, quando principalmente a vítima vive sob o domínio do parceiro dentro de casa realizando suas tarefas domésticas e ele trabalhando para a manutenção da casa. A mulher acaba se conformando com tudo o que passa, porque na maioria das vezes não encontra um local que possa ficar segura e se manter financeiramente com os filhos. Além de tudo, com o advento da pandemia houve uma diminuição de vagas de trabalho e empresas que foram fechadas dificultando a mulher a encontrar uma fonte de renda.

Estas covardias praticadas pelo viés machista podem ocorrer não apenas pela morte da mulher, mas consubstanciar em violência doméstica através da agressão psicológica, moral, patrimonial e sexual, todas elas previstas na Lei Maria da Penha. E quando estas outras agressões começam, e se a mulher não tomar nenhuma providência ou procurar ajuda, poderá se tornar mais uma vítima do feminicídio, e neste momento ninguém mais poderá ajudar.

Por isto a necessidade de procurar auxílio quando as primeiras brigas ocorrerem dentro de casa, onde a mulher pode pedir ajuda nos centros de atendimento e não se tornar mais um numero da macabra estatística da violência doméstica e de um dos mais execráveis dos crimes, o feminicídio. Até quando ainda iremos presenciar isto? Veja os locais onde poderá procurar ajuda:

=> Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher

Endereço: Av. Barbacena, 288, Barro Preto, Belo Horizonte

Aberto 24 horas

Telefone: (31) 3330-5752

=> Delegacia Virtual da Polícia Civil de Minas Gerais

A entidade também registra ocorrências sobre violência doméstica e familiar

delegaciavirtual.sids.mg.gov.br

=> Defensoria Pública Especializada na Defesa dos Direitos das Mulheres em Situação de Violência (Nudem)

Endereço: Rua Araguari, 210, 5º andar, Barro Preto

Segundas às sextas, das 8h às 17h

=> Araguari

Praça Getúlio Vargas, 208, Centro.

Telefone: (34) 3242-5020

  • Contagem

Av. João de Deus Costa, 338, Centro.

Telefone: (31) 3390-2436 / 2466 | Celular institucional: (31) 98312-1809

=> Itajubá

Rua Antônio Simão Mauad, 149, 2º andar, Centro.

Telefone: (35) 3622-1683 – ramal 140

=> Juiz de Fora

Av. Barão do Rio Branco, 2281, 9º andar.

Telefone: (32) 3217-0443

=> Montes Claros

Rua Espírito Santo, 110, Ibituruna.

Telefone: (38) 3222‐1361 | Celular institucional: (31) 98344-1896

=>Varginha

Rua Colômbia, 263, Vila Pinto.

Telefone: (35) 3222-8581

=> Atendimento virtual NUDEM

Segunda à sexta, de 11h às 17h

WhatsApp: (31) 98475-2616 / 98239-8863

Telefone: (31) 2010-3171 / 3172

Email: atendimentonudembh@defensoria.def.br

=> Centro Especializado de Atendimento à Mulher – Benvinda

Segunda à sexta, das 9h às 17h.

Rua Hermilo Alves, 34, Santa Tereza (próximo à Avenida do Contorno)

Telefone: (31) 3277-4380 | (31) 98873-2036

Principais linhas de ônibus: 9103 / 9210 / SC01 / SC03

=> Casa Tina Martins

Rua Paraíba, 641, Santa Efigênia, Belo Horizonte

Telefone: (31) 3658-9221

Email: casatinamartins@gmail.com

Instagram: @casatinamartins

=> Ponto de Acolhimento e Orientação à Mulher em Situação de Violência

Segunda à sexta, de 8h às 17h

Avenida Churchill, Bairro Santa Efigênia, próxima ao Hospital Mário Pena. Acesso pela Portaria 3 (estacionamento) da Câmara Municipal de BH.

Telefone: (31) 3555-1394

E-mail: cooass@cmbh.mg.gov.br

=> Centro Risoleta Neves de Atendimento à Mulher de Minas Gerais – Cerna

Segunda à sexta, de 8h às 18h

Telefone: (31) 3270-3200 / 3270-3280

Avenida Amazonas, 558, 3º Andar, Centro, Belo Horizonte

E-mail: conedh@direitoshumanos.mg.gov.br 

=> Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180

A ligação é gratuita e o serviço funciona 24 horas por dia, todos os dias da semana.

O Ligue 180 atende todo o território nacional e também pode ser acessado em outros países.

@elsonmatosdacosta

fontes: agenciabrasil.ebc.com.br

brasildefatomg.com.br

globoplay.globo.com

Imagem em destaque: Tumisu por Pixabay .