Fevereiro Roxo; mais uma importante campanha de promoção à saúde!

Você viu por aqui postagens sobre o Outubro Rosa, o Novembro Azul e o Janeiro Laranja. Essas e outras campanhas de promoção à saúde são fundamentais para a conscientização sobre doenças. Hoje, a doutora Lílian Santuza Santos Porto, reumatologista da Santa Casa BH, vai nos orientar sobe a importância do Fevereiro Roxo. Confira!

Doutora Lílian, reumatologista. Foto: Christiano Senna/SCBH

Radar Leste BH – É verdade que a campanha Fevereiro Roxo surgiu em Uberlândia, no Triangulo Mineiro?

Sim, é verdade. A campanha teve início, em 2014, em Uberlândia. Com o lema “Se não houver cura, que ao menos haja conforto”. O objetivo é buscar chamar atenção da sociedade que, apesar dos pacientes terem doenças incuráveis, possam ter qualidade de vida.

Radar Leste BH – Quais são as patologias escolhidas para a campanha? O que elas têm em comum é o fato de serem incuráveis?

A campanha surgiu para conscientizar a população sobre a fibromialgia, o lúpus eritematoso sistêmico e o Alzheimer. Essas doenças são nitidamente distintas, mas tem em comum o fato de serem crônicas e incuráveis. Se tratadas adequadamente podem estabilizar ou até mesmo entrar em remissão, no caso do lúpus e da fibromialgia.

Radar Leste BH – Entre as doenças degenerativas, o Alzheimer tem uma incidência cada vez maior entre a população?

A incidência da doença de Alzheimer vem aumentando por conta da longevidade da população. Ela se manifesta geralmente após os 60 anos e se caracteriza pela perda de capacidade cognitiva e memória. Para uma melhor evolução da doença, é fundamental o diagnóstico precoce. Por isso, aos primeiros sintomas, o paciente deve procurar um profissional especialista em demências, como o geriatra e/ou o neurologista.

Informe-se sobre o Fevereiro Roxo. Fonte: saude.df.gov.br

Radar Leste BH – Sobre o lúpus, quais são as principais características desse distúrbio crônico? Por que é crucial seguir o tratamento e as orientações médicas?

O Lúpus Eritematoso Sistêmico é uma doença inflamatória crônica de causa autoimune, quando o sistema imunológico ataca as células saudáveis do corpo. Ela acomete, principalmente, mulheres na fase reprodutiva. Trata-se de uma doença sistêmica, que pode afetar diversos órgãos e tecidos, como a pele, as articulações, os rins, as células do sangue, o sistema nervoso, o coração e os pulmões.

É fundamental que o paciente siga rigorosamente as orientações médicas e o tratamento medicamentoso, pois caso contrário, a doença pode se agravar. O paciente pode apresentar insuficiência renal com necessidade de diálise, pode evoluir com sequelas neurológicas graves e até ir a óbito.

Radar Leste BH – A fibromialgia exige, além dos cuidados médicos, psicoterapia e redução do estresse para ajudar no controle dos sintomas?

A fibromialgia é uma síndrome dolorosa crônica, caracterizada principalmente pela presença de dor musculoesquelética difusa e fadiga. Outros sintomas podem estar presentes em graus variados, como os distúrbios gastrointestinais funcionais, a dor pélvica crônica, a enxaqueca, os distúrbios de memória e de atenção. Alguns pacientes podem apresentar também quadros de ansiedade e depressão.

O controle das emoções e do estresse é fundamental para o adequado manejo da dor. O tratamento apresenta três pilares complementares:

– a atividade física, pois a prática habitual de exercícios físicos aumenta naturalmente as substâncias anestésicas do corpo;

– as terapias psicológicas, principalmente a terapia cognitiva comportamental, para o adequado manejo dos aspectos emocionais da doença, da ansiedade e da depressão;

– o tratamento medicamentoso, que deve ser individualizado e discutido com o médico reumatologista. Entre os medicamentos usados, destacam-se os relaxantes musculares de uso crônico, alguns antidepressivos e várias classes de analgésicos.