Morador do Alto Vera Cruz dá aula de saúde e bem-estar pra comunidade

O Alto Vera Cruz tem um morador dedicado ao bem-estar, socialização e à promoção saúde física e emocional da comunidade. É o professor de capoeira, dança e músico, Valdeci Carlos da Silva. E para cada atividade que desenvolve, ele recebe um apelido. Vamos conferir?

Há oito anos à frente do projeto Roda de Samba Amigos do Negão, ele é chamado de Negão. A iniciativa consiste e apresentar grupos da Leste, de outras regiões e municípios, como Betim, Ribeirão das Neves e Contagem, em shows e atividades artísticas. “É um trabalho de promoção e valorização dos artistas. Cerca de 50 grupos já passaram por mim”, lembra.

Valorização dos grupos de samba. Foto: acervo pessoal

Há cerca de cinco anos à frente do projeto Passo a Passo ele é chamado de Carlos Negão. Quem tem a partir de 16 anos pode aprender dança de salão, forró, samba, salsa, valsa, tango, bolero e outros ritmos. As aulas são oferecidas uma vez por semana, das 20h30 às 21h30. “A proposta é oferecer módulos seqüenciados de ensino dos estilos. As mulheres com idades acima dos 30 anos são maioria. Para elas as aulas são uma terapia e os principais benefícios são a socialização e as amizades”, conta.

No Capoeira Projeto ele é conhecido como professor Negão. O trabalho é voluntário, gratuito e oferecido a alunos de cinco a 80 anos, três vezes por semana, há dois anos. As aulas buscam promover a defesa, a coordenação motora e agilidade dos alunos e também a valorização racial e a auto-estima. “Muito alunos entram arredios, tensos e com o tempo vão ficando mais sociáveis. As mães ficam com medo de os filhos ficarem agressivos, mas eu procuro envolver a família no processo para acompanhar essa transformação”.

Foi através da dança que Carlos Negão teve a primeira atividade com o corpo. Há cerca de 30 anos, como surgimento da lambada, ele começou a dar oficinas de dança para crianças, a se apresentar em vários locais e fora de Minas, com o grupo Mamaluaê Arte e Cultura. Em seguida foi apresentado à capoeira de rua, no Centro Cultural e Social Mandinga Mineira. “Tudo isso foi oferecido a mim no Alto Vera Cruz, bairro onde eu nasci, vivo e quero continuar a proporcionar o melhor às pessoas. A dança, a capoeira e a música são caminhos para se oferecer felicidade e amenizar o sofrimento”, destaca.

Imagem em destaque: acervo pessoal.