Moradores do Santa Inês sofrem com acúmulo de lixo em área do Dnit

O Radar Leste BH já denunciou e outros veículos de comunicação fizeram mesmo, mas o problema persiste. Pessoas sem consciência de civilidade insistem em jogar lixo, resto de construção, animais mortos, galhos de árvores e todo o tipo de resíduos na área do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes). O problema é maior no trecho 14 quarteirões, entre as estações Santa Inês e José Cândido da Silveira, incluindo a área abaixo do viaduto da rua Minduri.

O lixo leva doença e risco aos moradores. Foto: Antônio Paulino

Segundo o líder comunitário Antônio Paulino, o lixo acumulado leva doença aos moradores – como a dengue – e outros riscos à saúde já que ratos, escorpiões e até cobras invadem as casas constantemente. “Nós acionamos o Ministério Público pedindo, limpeza, drenagem e segurança para área. Precisamos resolver esse, que é apenas um dos problemas dessa área”, afirma.

O Dnit responde

O DNIT informa que realiza regularmente a retirada de lixo e entulho no local citado. Esclarecemos também que o depósito irregular de lixo é praticado diariamente por carroceiros, que utilizam a área como bota-fora, e pelos próprios moradores que jogam o lixo por cima das cercas e muro.

As placas de proibição de descarte de lixo na área foram arrancadas por vandalismo. Neste momento, estamos estudando a viabilidade de implantação de barreiras físicas (cercas) que sejam efetivas para impedir que o material seja lançado no terreno.

Paralelamente, o DNIT está em constante diálogo com a PBH, no sentido de implantar campanhas educativas, visando a minimizar o descarte clandestino no local.

Confira a reportagem feita no local no ano passado.

Santa Inês tem 14 quarteirões cheios de problemas e riscos