O Atlético pode fazer de 2021 o ano da mudança de patamar

A matemática é precisa e machuca o coração da torcida que vive um sonho de meio século em busca do título nacional. Assim está o sentimento do atleticano que mais uma vez vai ficar acompanhando a disputa pelo título nacional sem chances voltar a conquistar a taça que ganhou pela primeira e única vez em 1971. A temporada 2020 alimentou com consistência o desejo e esperança do título com 200 milhões de reais em contratações e um técnico de ponta. Mas ficou no quase, mais uma vez.Os milhões de torcedores vão dedicar alguns dias para discutir e reavaliar o que não deu certo.

Na semana passada, falei da falta do atacante de decisão, chamado de matador, que fez uma falta danada.Também ficou evidente a falta de vontade e criação ofensiva da equipe, não importa quem estivesse em campo. Ver um jogo do Atlético esperando uma postura aguda em busca do gol era uma fantasia. O time, que mostrava uma agressividade quase sufocante no início do campeonato, passou a ser visto como um punhado de jogadores com posse de bola inútil e quase inofensiva. O giro de bola, de lado a lado do campo, com amplo domínio dos espaços, parecia uma conduta superior sobre o adversário, mas inútil. Superioridade nos números? E daí?

Posse de bola onde os zagueiros são os jogadores com as melhores estatísticas e passes distribuídos mostram um time frágil e refém de uma jogada de inspiração dos meias e atacantes, o que não foi suficiente para vencer os jogos recentes do brasileirão que colocariam o Galo na briga pelo título. Frustrante.

É urgente e necessária a decisão da direção do clube sobre qual o técnico e atletas terão a missão de vestir a camisa do clube em 2021. É preciso fazer um Atlético realmente diferente. A incerteza sobre o comando do time para a próxima temporada pode começar a minar o time. Se Sampaoli quer ir embora, que vá. Ninguém pode ser feliz e trazer bons resultados não querendo ficar. Não julgo o argentino. As oportunidades e mudanças fazem parte da vida de todos nós.

Seja quem for o treinador, são urgentes ações assertivas para que os sonhos se tornem realidade no coração alvinegro. Se há dinheiro para investir vindo dos torcedores ilustres e enriquecidos, se há uma torcida fiel, apaixonada, paciente e obstinada, falta à direção do clube e aos atletas atitudes que façam o clube deixar de lado a mística de grandeza e agir com a determinação e aplicação que transformem os sonhos em conquistas. Aplicação, seriedade, humildade, atenção, intensidade, força e foco. O Atlético pode realmente registrar na história o ano de 2021 como o ano da mudança. Veremos.

Twitter @armandoBH69