Pompéia e Taquaril guardam histórias marcantes da região Leste de BH

O Pompéia é considerado um dos bairros mais antigos da região Leste de BH. O Taquaril é mais recente. Um teve como primeiros moradores, portugueses e italianos. O outro, pessoas que vieram de movimentos de luta pela moradia. Em comum, Pompéia e Taquaril abrigam pessoas batalhadoras! Gente que luta para fazer o melhor pelo local onde vive! Conheça a história dessa gente fantástica! 

Passagem obrigatória para o Saudade, Vera Cruz, Taquaril, Baleia e São Geraldo o Pompéia é considerado um dos três bairros mais antigos da região Leste de BH. Os outros dois são Santa Tereza e Santa Efigênia. Quem afirma é o senhor João Geraldo de Almeida, o seu João Petrobrás, como gosta de ser chamado. São 80 anos de vida, sendo 54 deles só no Pompéia.

Seu João Petrobrás ocupa o segundo mandato à frente da Associação dos Amigos do Bairro Pompéia (AMAP) e, segundo ele, onde hoje é o bairro existiam as vilas Parque Jardim, Novo Horizonte e Cruzeiro do Sul. Com a chegada dos freis capuchinhos da Itália, em 1939, foi fundada a paróquia de Nossa Senhora do Rosário de Pompéia. Em 1946 o Pompéia foi oficialmente criado.

O líder da AMP conta que o Pompéia tem forte influência portuguesa e italiana porque, segundo ele, os primeiros moradores vieram desses dois países europeus. Muitos deles se instalaram na rua Iara, a mesma da igreja, e lá construíram as primeiras moradias e foi onde surgiu o comércio. A rua é o principal ponto comercial do bairro.

O bairro Pompéia foi se formando ao redor da igreja

Seu João Petrobrás chama o Pompéia de ‘bairro dormitório’. “Os moradores saem cedo para trabalhar e só voltam à noite”. Apesar de não trocar o bairro por nenhum outro lugar, ele ainda sonha em ver solução para alguns problemas, como educação, saneamento básico, lazer, moradia digna e acessibilidade.

Taquaril

Pensou em luta por moradia e em mobilização social? Acertou quem se lembrou do Taquaril. Desde que foi entregue pelo prefeito Sérgio Ferrara (PMDB) aos integrantes do movimento Pró Moradia, em agosto de 1986, o Taquaril testemunhou de promessas não cumpridas e uma força popular pouco vista em outras regiões da capital. Quem garante é a presidente do Centro Comunitário Pró Construção e Desenvolvimento do Taquaril, ex-Castanheiras e Adjacências, Ednéia Aparecida de Souza.

Mas, o Taquaril não era o bairro dos sonhos dos sem moradia daquela época. Todos sabiam que o terreno, que antes abrigaria um condomínio de luxo, havia sido condenado pela antiga Companhia de Desenvolvimento Urbano de Minas Gerais (Codeurb) por causa do solo de filito, suscetível a deslizamentos e inapropriado para a construção.

“Foi preciso que os integrantes do movimento Pró Moradia fechassem trechos da rua Goiás e da avenida Afonso Pena para impedir a saída do Sérgio Ferrara do prédio da Prefeitura de Belo Horizonte. Só com a nossa pressão conseguimos uma definição”, lembra Ednéia. A resposta do prefeito veio em promessas de investimentos do então Presidente da República José Sarney, do governador Hélio Garcia (PMDB) e da administração municipal para implementar um plano de infraestrutura e saneamento para o Taquaril. Pouco ou quase nada foi cumprido, garante a líder comunitária.

A força e a presença feminina são marcantes desde a criação do Taquaril (acervo Ednéia)

A saída dos moradores foi promover mutirões que começaram pela capina dos lotes até a construção das moradias. E a força feminina se fez presente em todo o processo e permanece como marca do bairro. Segundo Ednéia, a maioria das famílias do Taquaril é chefiada por mulheres. As sequelas do esquecimento do poder público ainda podem ser vistas na baixa renda e na pouca escolaridade dos moradores.