Por quê o nazismo causa tanto horror?

O influenciador Bruno Aiub, também conhecido como Monark, quando entrevistava os Deputados Federais Kim Kataguiri (Podemos) e Tábata Amaral (PSB) no programa do Flow Podcast, no dia 08/02 defendeu a criação de um partido nazista no Brasil. Disse o seguinte: ”A esquerda radical tem muito mais espaço que a direita radical, na minha opinião. As duas tinham que ter espaço, na minha opinião […] Eu acho que o nazista tinha que ter o partido nazista reconhecido pela lei.”

Ele foi contestado por Tábata Amaral que lhe disse: “Liberdade de expressão termina onde a sua expressão coloca em risco a vida do outro.” Logo após o entrevistador foi desligado do programa que alegou que a finalidade do Podcast era o comprometimento com a democracia e os Direitos Humanos.

A defesa do nazismo no Brasil é reconhecida como crime o que pode resultar em pena de 2 a 5 anos de reclusão e pagamento de multa. O nazismo prega que todos aqueles que não possuem a pureza da raça ariana devem ser destruídos. Hitler colocou esta ideologia em prática nas décadas de 1930 e 1940, onde judeus, negros, gays, pessoas com deficiência física ou mental, ciganos, comunistas foram perseguidos. O povo judeu foi o que mais sofreu, onde foram exterminadas em campos de concentração mais de 6 milhões de pessoas.

Existe uma confusão entre liberdade de expressão e ataques a democracia. O filósofo Karl Popper, durante a Segunda Guerra Mundial publicou A Sociedade Aberta e os Seus Inimigos onde disse: “a tolerância ilimitada leva ao desaparecimento da tolerância. Se estendermos a tolerância ilimitada mesmo aos intolerantes, e se não estivermos preparados para defender a sociedade tolerante do assalto da intolerância, então, os tolerantes serão destruídos e a tolerância com eles”.

Em uma democracia o normal é pessoas poderem expressar suas ideias mesmo que sejam contrárias ao que alguém pensa. Dependendo da forma como alguém se expressa pode impactar de forma tão negativa uma sociedade que ela entenda ser muito ruim aquele pensamento, ideia, fala, que o risco de pensamentos do ódio, superam o benefício. Isto pode levar a uma reviravolta naquele estado para pior, por isto a necessidade de restringir determinadas liberdades de expressão. E o nazismo é um deles.

A nota divulgada pela Embaixada da Alemanha sobre a fala de “Monark” é: “Defender o nazismo não é liberdade de expressão. Quem defende o nazismo desrespeita a memória das vítimas e dos sobreviventes desse regime e ignora os horrores causados por ele”. Logo após ter sido desligado da empresa, o apresentador postou um vídeo se desculpando pelo que disse e que estava bêbado naquele momento, motivo de ter se exacerbado.

“A Constituição consagra o binômio: liberdade e responsabilidade. O direito fundamental à liberdade de expressão não autoriza a abominável e criminosa apologia ao nazismo”. (Alexandre de Morais – Ministro do STF).

Então devemos ter muito cuidado sobre o que pensamos e falamos e assim não extrapolarmos e confundirmos o sentimento de liberdade de expressão como louvar o execrável nazismo, o qual deve ser sempre lembrado para que nunca nos esqueçamos dos horrores que foram praticados contra milhões de seres humanos. Tudo tem o seu limite.

Fontes: bbc.com 

metropoles.com

correiobraziliense.com.br

direitonet.com.br

@elsonmatosdacosta

Imagem em destaque: Veja Online.