Projeto do Centro de Lazer do Pompéia não sai do papel há 13 anos

A placa está aí desde 2007 e cadê a obra do centro de lazer?

A placa da até um sinal de esperança para quem passa pela rua Florinda, esquina com Furquim no bairro Pompéia, região Leste de BH. A informação é de que no local será construído um espaço público para a comunidade. Só que a frustração é o sentimento de muitos moradores, como o senhor João Geraldo de Almeida, o João Petrobrás.

Senhor João, que é presidente da AMAP (Associação dos Moradores e Amigos do Bairro Pompéia), conta que desde 2007 a comunidade espera pela construção de um centro esportivo e de lazer no local e que a obra foi aprovada pelo OP (Orçamento Participativo) do mesmo ano. Não existe, segundo ele, um espaço no Pompéia para que os idosos façam caminhada, para que as crianças e jovens pratiquem esporte ou se divirtam com segurança e tranqüilidade. “A terceira idade perde uma oportunidade de buscar mais qualidade de vida e a aumenta a chance de que a moçada vá para a marginalidade”.

O líder comunitário diz que há 13 anos cobra quase que mensalmente da prefeitura uma explicação para tantos anos de espera pela obra, orçada em cerca de R$900 mil, segundo senhor João. Ainda de acordo com ele, a área que corresponde ao tamanho de dois lotes, deveria, abrigar uma quadra poliesportiva com arquibancada, sala para a administração do local, cozinha para eventos e um espaço para os encontros da terceira idade. “Só que entra e sai prefeito e ninguém faz nada. O que se vê são manilhas, o mato e essa placa. Mais nada!”.

As manilhas e o mato são tomam conta do terreno

O que diz a PBH

No momento, a gestão estuda viabilidade de recursos para retomar as obras do OP, incluindo o Centro Esportivo e de Lazer do bairro Pompéia. Quando implantado, o centro esportivo proporcionará um espaço de encontro da comunidade com opção de esporte e lazer aos moradores.

A Prefeitura esclarece que, no início de 2017, havia cerca de 450 empreendimentos aprovados no Orçamento Participativo que se encontravam paralisados ou não inicializados nas diversas regiões da Belo Horizonte. Com todos os esforços realizados, até agora, foram retomados mais de 300 empreendimentos.

Até o mês de junho, 114 destes empreendimentos foram concluídos pela Sudecap (Superintendência de Desenvolvimento da Capital) e pela Urbel ( Companhia Urbanizadora e de Habitação de Belo Horizonte), priorizando os aprovados nas vilas e favelas da cidade.