Quanta diferença pode fazer a ausência dos torcedores nos estádios?

O futebol em tempos de pandemia está derrubando uma máxima dos mais apaixonados pelo esporte? Torcida ganha jogo? E é neste contexto que vou me aventurar a falar sobre o tema. Por dentro estou sorrindo e me divertindo aguardando os comentários discordantes, é claro. Vamos descobrir juntos.

Desde que as competições foram retomando a rotina de jogos, estamos vendo estádios vazios, com ações de interatividade de torcedores virtuais e os áudios com incentivos aos times, gritos de torcida que motivam os jogadores. Mas o torcedor mesmo, que incendeia uma partida – outra máxima de colegas jornalistas e comentaristas, sem críticas é claro – está em casa.

Neste cenário, os clubes que tem torcidas com fama de fervorosas, apaixonadas, na alegria ou na tristeza, devem estar sentido falta. Não só da renda que estes torcedores fiéis proporcionam, mas do incentivo que levam aos jogadores. E os próprios jogadores, que em declarações apaixonadas também, creditam, muitas vezes, aos torcedores, aquela energia a mais que faz a diferença, também devem estar sentido falta.

E agora? O que faz a diferença? Ou quanta diferença pode fazer a ausência dos torcedores? Estudiosos do comportamento humano e do futebol tem um vasto terreno e tempo para o estudo do caso. Esta é, sem dúvida, a maior oportunidade que o esporte pode nos dar para estudar o tema. Ainda ficaremos muito tempo com jogos sem torcedores no estádio, nos principais campeonatos do mundo, com os maiores time do planeta em campo. Este cenário jamais seria possível se não fosse uma pandemia.

Os grandes clubes como Flamengo, Corinthians, Atlético, Cruzeiro, Palmeiras e Grêmio, com torcidas muito fiéis,apostam no fator casa muito mais por causa da familiaridade dos campos de jogo do que do apoio dos torcedores. Vai ficar a dúvida sobre o fator casa, com torcida, mas é evidente que os mandantes ainda são soberanos nas competições.

Mais um bom debate para analisarmos juntos a temporada 2020, que só acaba em 2021. Para os mineiros, fica o gostinho prazeroso de ver Atlético e Cruzeiro, nas séries A e B, com 100 % de aproveitamento. Isso vale muito!

Twitter @armandoBH69