São Geraldo, o bairro que tem a praça e a igreja como pontos de origem

Bem-vindo ao São Geraldo, o bairro que tem a praça e a igreja como pontos de origem de sua formação! A área atual começou a ser habitada com a venda de lotes de aproximadamente 350m quadrados, no ano de 1950. A partir de um decreto de 1977 passou a ser chamado Mariano de Abreu e, posteriormente, São Geraldo.

A Praça São Geraldo precisa de mais cuidados

 Até hoje o São Geraldo conserva a característica residencial, com famílias que permanecem nos mesmos endereços, desde o início da formação do bairro. O líder comunitário Alessandro Istvan  é cria do local. Ele se lembra com saudade das brincadeiras nos lotes vagos, das partidas intermináveis nos campinhos de futebol, do barulho do subúrbio e da vida cultural na praça. “A praça também era nosso programa para depois da missa na juventude”, lembra.

 As principais vias do São Geraldo são as avenidas Itaité e Silva Alvarenga onde estão os principais pontos de comércio, como salões, padarias e supermercados. Para chegar ao bairro as avenidas dos Andradas, José Cândido da Silveira, Itaituba e Elísio de Brito são as opções. A Avenida 710 liga o bairro à região Nordeste.

Nem tudo anda bem

 Mas, o São Geraldo tem enfrentado situações preocupantes sobre a ausência do poder público na vida da comunidade. Em recente postagem o Radar Leste BH mostrou a expectativa dos moradores para que a praça que leva o nome do bairro seja adotada por uma construtora. Outra demanda é a dificuldade para atravessar a Avenida Itaituba para chegar ao centro de saúde. Segundo o Alessandro, já foi reivindicada uma sinalização que permita a travessia segura dos usuários e pedestres em geral, já que o trânsito é intenso no local. O risco de atropelamento e acidentes em frente ao centro é eminente.

Pedestres em risco ao atravessar a avenida Itaituba

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, o centro de saúde funciona neste local desde 2016 e realiza uma média de 4.800 atendimentos mensais. Conta com 77 profissionais, entre médicos, enfermeiros, agentes comunitários de saúde, de combate a endemias, dentistas e administrativos.

A  BHTrans informa que a faixa de pedestres na avenida Itaituba está na lista de programação de implantações. Ainda não há uma data prevista.