Tempo seco e baixa umidade: risco de incêndios florestais da Leste!

O inverno e a primavera são conhecidos pelo tempo seco, baixa umidade e, infelizmente, pelo aumento no número de casos de incêndios florestais. A maioria deles provocada pela ação humana. E a região Leste não escapa dos tristes casos de queimadas em matas e florestas.

Tenente Leonan Soares. Foto: Arquivo Pessoal

Segundo o comandante do Pelotão de Incêndio Florestal do Corpo de Bombeiros, tenente Leonan Soares, a Mata da Baleia e a Serra do Curral acumulam mais casos. Mas, preocupante mesmo são as áreas de difícil acesso para os bombeiros, como a mata conhecida como Jangada, localizada atrás da mineradora Vale. “Como na Baleia e na Serra do Curral os bombeiros conseguem chegar com mais rapidez e facilidade, a área queimada e os danos ambientais costumam ser menores”, destaca.

Ainda de acordo com o tenente Leonan, o fogo nessas áreas não é prejudicial apenas para a vegetação. Provoca danos irreparáveis ao ecossistema, sobre as espécies endêmicas e ameaça os mananciais que abastecem a capital e a região metropolitana. “Parte dos incêndios florestais na região Leste é provocada para a renovação do pasto do gado. A fumaça quente pode levar uma folha em chamas a atingir até 1Km de distância e a situação fica fora do controle”, afirma.

Confira as orientações do Corpo de Bombeiros para evitar incêndios florestais.

Fonte: Corpo de Bombeiros.