Teve a mala extraviada? Calma, a Akemí te ensina o que fazer

Eu vivi um dos maiores perrengues da minha vida de viajante. O pesadelo de todo turista: ter a mala extraviada. Pois é, aconteceu comigo. Eu passei um ano planejando uma viagem para Ásia: China e Japão com escalas estendidas nos Estados Unidos na ida e na volta, 28 dias na estrada. A primeira parada foi Los Angeles, chegamos empolgados, mas nossas malas, não.

Primeira lição apreendida: se acontecer com você (e eu espero sinceramente que não), não saia do aeroporto sem comunicar a perda da bagagem, não deixe para ligar depois ou qualquer outra opção que você julgar mais prática. Existe um setor só pra isso e você sairá de lá documentado e, com sorte, eles já terão rastreado o local onde sua mala ficou esquecida. Dica extra, ter sempre uma foto da sua bagagem e, de preferência, coloque nela seu nome, telefone, amarre laços, fitas coloridas que facilitem a identificação.

Segunda lição: procure saber com a companhia aérea qual é o valor da verba de emergência que você tem direito. É um dinheiro para comprar o essencial e varia de operadora para operadora. Guarde a nota fiscal de todos os gastos que tiver em decorrência desse fato.

Nessa hora é bom falar que uma bagagem de mão pode ser a sua salvação. A minha mochila me socorreu. Tinha roupa para uns 5 dias, meus itens mais caros ou de valor simbólico importante (que eu não gostaria de perder caso a mala se perdesse ou fosse furtada no aeroporto).

Para resumir bem, dos 28 dias de viagem, minha mala ficou perdida 20. Sim, um pesadelo. Conclusão: eu fiz um guarda roupa novo, mas não queria a esse custo; perdi um passeio importante na China que acho que nunca mais farei; discussões ao telefone com fuso horário de 12/13 horas de diferença. A coisa só se resolveu quando chegamos no Japão (ahhh, os japoneses, resolvem tudo, até minha mala perdida rs).

O meu caso foi bem atípico, fizeram muita hora com a nossa cara. Quando cheguei ao Brasil processei a companhia aérea e ganhei a causa. Todos perguntam se esse fato estragou a minha viagem e a resposta é: não! A mala não estava lá, mas eu estava e resolvi que viver todas aquelas emoções sonhadas e tão cuidadosamente planejadas era muito mais importante.

Por isso, quando penso na viagem da Ásia, me lembro da Muralha da China, da diversão que era comer tudo de palitinho (novidade pra mim), das feiras e dos cheiros exóticos, dos jardins maravilhosos, da paz dos templos, do quanto Shangai é futurista, Tóquio é moderna, Kyoto é tradicional e Hiroshima é resiliente. E do quanto nosso mundo é grande e eu gostaria de conhecer cada cantinho dele.

Todas essas aventuras estão lá no meu canal youtube.com/omundoelogoali. Me encontre também no Instagram @akemiduarte.

Até lá!

Imagem em destaque: Stela Di por Pixabay.