Treinamento ou agressão? Como a Polícia age em cursos de formação

Qualquer ato que venha a ocorrer dentro de uma instituição policial, seja ela qual for, impactará na sociedade, principalmente pela sua relevância, já que o termo Segurança Pública encontra-se em um patamar elevado no que diz respeito ao recrudescimento da violência pela qual estamos passando já há tempo, e sempre piorando.

Por isto dentro das policias, quando os seus integrantes estão treinando para enfrentar as mazelas sociais, serão submetidos a exercícios condizentes com a realidade que irão enfrentar, onde devem estar preparados para múltiplas adversidades. Os treinamentos são realizados exatamente para que consigam sobreviver neste campo de batalha, e provavelmente, a polícia é o único órgão do Estado presente para resolver alguma situação que está saindo do controle.

Pelos inúmeros problemas que resolve, fica difícil que o policial se equilibre entre esta corda-bamba, o certo e o errado, tomando decisões no calor dos acontecimentos, sendo comum que o emocional acabe falando mais alto que a razão. É onde acontece o erro e o profissional irá se arrepender para sempre daquela atitude impensável.

No último dia 23 de janeiro circulou um vídeo pelas redes sociais mostrando um grupo de policiais militares que participavam de um treinamento. Em determinado momento um instrutor deu um tapa na cara de um aluno que veio ao solo. Possivelmente por ter feito algum ato não condizente com o que lhe fora determinado. A PM afastou dez instrutores do curso até que se esclareça como que este problema veio a acontecer e apurar responsabilidades com a abertura de um IPM – Inquérito Policial Militar.

Os cursos policiais tentam refletir o que os alunos irão enfrentar nas ruas e assim o treinamento deve se aproximar da realidade, o que pode levar durante este período na Escola de Polícia, seja ela qual for, a colocar em risco a vida dos alunos, dependendo do treinamento a que for submetido. Cuidados devem tomar os instrutores para que em nenhum momento os seus comandados venham a sofrer qualquer dano, mas a diferença entre realidade e treinamento as vezes é muito tênue, e podem ser confundidos. Pode o instrutor extrapolar e permitir que a dignidade do aluno seja atingida.

Os treinamentos policiais se preocupam de como o aluno irá resolver problemas que ele enfrentará na rua quando estiver atendendo uma ocorrência e possa desempenhar de forma eficiente a sua atividade profissional. Será que ele irá replicar como aprendeu no treinamento, da mesma forma, principalmente no momento em que todos filmam as ações policiais? Poderia ser uma temeridade, como ocorreu nos EUA com relação a morte do negro George Floyd que teve o seu pescoço espremido no chão com o joelho do policial. Este foi condenado e causou uma repercussão negativa com a eclosão de protestos em diversos cidades e países.

Um erro cometido na rua poderá trazer um enorme estrago na imagem da instituição, as vezes irreparável, mesmo porque um dos equipamentos que o mesmo porta é uma arma de fogo. O policial tem o direito ao uso da força em determinados momentos. Assim, a sua intervenção em uma ocorrência deve ser cirúrgica. Agir dentro da lei, mesmo que tenha de utilizar a força física, e no último estágio a arma de fogo. Para isto quando do atendimento a uma ocorrência, o profissional fará como foi ensinado, como aprendeu e não nos parece ser esta a mesma ação que deverá praticar na rua contra aqueles que lhe pagam o seu salário. A sociedade. Mesmo que esteja prendendo um marginal, onde a Constituição Federal diz que “todos são iguais perante a Lei”.

Entendo que a forma como aconteceu neste vídeo do treinamento entre policiais deveria e tenho certeza de que a PM irá redirecionar a forma como os alunos devem ser tratados, e que tenha sido um caso único e um erro momentâneo de avaliação dos instrutores.

Mesmo que estejam em um curso de policiais que irão enfrentar marginais extremamente bem armados e violentos, ou seja, fazendo a distinção entre o bem e o mal, é utilizada a disciplina muito disseminada entre as forças policiais sobre o Uso Diferenciado da Força, que trata da presença policial no local do fato e que pode ir escalando até chegar ao uso letal da força, depende de como a polícia for recepcionada.

Nunca se esqueçam, são os policiais que conseguem enfrentar o caos que nos encontramos com o aumento crescente da criminalidade. Podemos dizer sem nenhuma margem de erro, que sem a polícia a sociedade estaria mergulhada no caos.

@elsonmatosdacosta

Imagem em destaque: site G1.