Vagner Mancini retorna a MG em mais uma missão de resgate

Faltam 33 rodadas do Brasileirão da série A, um campeonato quase inteiro, mas o América já faz contas e tem que planejar as ações para se manter na divisão de elite do futebol. Para atacar de vez a falta de vitórias e pontos, contratou o técnico Vagner Mancini, que até pouco tempo estava no Corinthians, depois da saída necessária de Lisca “Doido”, que antes de enlouquecer ainda mais o torcedor e a direção do clube, acertou um desligamento que formalmente foi amigável.

Mancini acompanhou a derrota por 2 a 1 para o Palmeiras, neste domingo, em São Paulo. Jogo que o América merecia pelo menos um empate. Perdeu um pênalti com Ademir quando o jogo ainda estava empatado no primeiro tempo. Este tipo de erro é tão grave quanto os que a diretoria do clube reclama contra arbitragem. É sofreu o gol da derrota no último lance da partida. Pecado número dois. Outro erro que tem que ser condenado pela direção e corrigido pelo treinador.

O novo treinador vai completar um ciclo curioso, treinar os três grandes de Minas Gerais. Mancini esteve à frente do Cruzeiro em 2011 quando salvou o time do rebaixamento com aquela goleada histórica sobre o Atlético, por 6 a 1. A missão que foi dada a ele na época era salvar o time. O resultado agradou tanto que Mancini, que não ficaria no ano seguinte, ganhou a chance de comandar o Cruzeiro em 2012, mas caiu logo depois da eliminação nas semifinais do Mineiro para o América e a eliminação na Copa do Brasil, para o Athlético Paranaense. Foram apenas 30 jogos no comando do time com um bom aproveitamento de 53%.No Atlético a passagem foi relâmpago, em 2019, com apenas 13 partidas, com apenas 4 vitórias. Na época, o time brigava também contra o rebaixamento e acabou escapando. Mancini não ficou em 2020 quando o Atlético contratou Jorge Sampaoli.

A carreira como treinador começou com a surpreendente campanha do Paulista de Jundiaí, campeão da Copa do Brasil em 2005, equipe de tinha em campo jogadores como o goleiro Vitor e o zagueiro Réver. Mancini tinha apenas 39 anos quando conquistou o título mais importante da carreira. Depois, o treinador rodou o país e o time que comandou mais jogos foi o Vitória da Bahia, com 215 partidas em 4 passagens diferentes.

Em Minas Gerais Mancini vem pela terceira vez para atuar no papel de salvador da pátria. Nas duas oportunidades anteriores teve êxito, agora é a vez de ajudar o América. Como tem um período muito mais longo de jogos pela frente se comparado ao período em que dirigiu o Cruzeiro e o Atlético, Mancini por ir mais longe nos objetivos, mas terá que conquistar ponto a ponto. América não vence uma partida há 9 jogos, dois pelo Mineiro, dois pela Copa do Brasil e os cinco jogos do Brasileirão.

Na série A o time marcou apenas um gol, neste domingo. A próxima partida é contra o rival direto no Z4, o Juventude, no Independência, na próxima quinta-feira. A diretoria do clube ainda está se mexendo para reforçar a equipe, mas a escolha do treinador, acostumado a batalhas contra o rebaixamento, acho que foi acertada. A experiência de recuperar clima de vestiários abatidos, como fez com o Vitória da Bahia, Athlético Paraense e Botafogo, além de Cruzeiro e Atlético, será de grande valia para o América acabar de vez com a sina de time gangorra entre as séries A e B.

Twitter @armandoBH69