Vai começar a maratona do Brasileirão; e como ficam os times mineiros?

Nem bem os clubes ganharam fôlego com o fim dos estaduais e a longa corrida pelo Brasileirão vai começar. No próximo fim de semana os 40 maiores clubes do Brasil entram em campo pelas Séries A e B do campeonato mais competitivo do planeta – com todo o respeito que tenho pelo campeonato Inglês conhecido com o mais equilibrado do mundo. Os mineiros América, Atlético e Cruzeiro têm objetivos bem distintos, mas nem por isso os desafios serão mais fáceis ou mais complicados para um do que para os outros.

O América volta a disputar a Série A e chega em uma condição mais competitiva do que das últimas edições que jogou na elite. Manteve o treinador do ano passado, manteve boa parte do bom time que conquistou o acesso e ainda foi vice-campeão mineiro e vai encarar a competição com o claro objetivo de se manter na primeira divisão e evitar a famosa gangorra do sobe e desce. As chances do time são muito boas e o cenário eu diria que é favorável ao clube estruturado dentro e fora de campo e que deixou há algum tempo a condição de aventureiro.

Para o Atlético o favoritismo e a pressão pela conquista do título têm que ser usados como combustível. É inegável que o time que manteve um elenco forte, formado ano passado, e ainda contratou reforços importantes como Nacho Fernandez e Hulk entra na briga direta para ser campeão, ao lado de potências atuais como Flamengo e Palmeiras e equipes que estão passando por reformulação como São Paulo, Fluminense, Inter e Grêmio. Acredito que estas sete equipes é que vão brigar na parte de cima da tabela. Não podemos descartar a possibilidade de surpresas como o novato Cuiabá, o time de investidores como o Bragantino e os clubes amadurecidos como Ceará e Fortaleza.

Já o Cruzeiro que vai jogar a Série B pelo segundo ano seguido, o choque de realidade que o time viveu ano passado criou uma condição mais madura e centrada de que, para conseguir o retorno à Série A, será preciso que a equipe comandada por Felipe Conceição mostre uma entrega como se jogasse uma final de campeonato a cada uma das 38 rodadas que vai disputar. Será uma competição duríssima com a presença outros dois grandes clubes, Vasco e Botafogo, e times com muita sede de voltar à primeira divisão como Guarani, Curitiba, Náutico, Vitória, Goiás e Ponte Preta.

Tanto na Série A quando na Série B ainda vai demorar algum tempo para falarmos da volta do público aos estádios. A CBF possuiu um comitê de saúde que avalia todas as condições protocolares e de risco para as competições por causa da pandemia do Covid e já informou que os índices mínimos que precisamos para o retorno do público estão muito ruins. É preciso uma grande redução de contaminados por milhão de habitantes, redução na ocupação de leitos de UTI, aumento considerável da base da população vacinada e outros índices importantes para começarmos a pensar em um retorno dos torcedores aos estádios.

Uma novidade que vale a pena ficarmos de olho na Série A é a regra que limitará a troca de treinadores por equipe. Cada clube poderá ter apenas dois treinadores ao longo da competição, ou seja, apenas uma troca. E cada treinador também só poderá treinar duas equipes na mesma competição. Caso um time perca o treinador pela segunda vez, somente um funcionário do clube que esteja há mais de seis meses no clube poderá assumir o comando da equipe. A regra serve para demissões ou para pedidos de demissão por parte dos treinadores. O VAR, assistente de vídeo para a arbitragem, continua restrito à Série A.

Agora é ficar de olho nas estreias dos mineiros. O Cruzeiro joga a primeira partida da Série B fora de casa, contra o Confiança, se Sergipe, no próximo sábado, às 16h30. No domingo, às 11h da manhã, o Atlético recebe o Fortaleza pela Série A e o América retorna à elite encarando o Athletico Paranaense, fora de casa, também no domingo, às 16h. Boa sorte aos mineiros!

Twitter @armandoBH69